Uma Noite Assim

Uma Noite Assim

Uma Noite Assim

A. M. Mondas

Imagem de Capa: Pedro Castel Branco
O Tejo entrou-me pela casa adentro em partículas cheirando a peixes de água doce temperados apenas com um pouco de sal…
Abro as janelas de par em par, e vou à varanda. A humidade do ar envolve-me como um relaxante banho morno.
Fecho os olhos, e o som do trânsito desaparece, e o cheiro a gasóleo desaparece, e os prédios velhos desaparecem. Fica o ladrar de um cão vadio, o grito estridente de uma gaivota e o piar assustado de um pardal… e inalo profundamente a atmosfera desta aldeia lacustre.
Reabro os olhos… Um casal beija-se junto ao semáforo, as mãos entrelaçadas, os corpos muito próximos, e, indiferentes ao ruído, indiferentes a quem passa, indiferentes à maresia, sorriem…
Volto para dentro, e fecho-os fora de casa para não os invejar.
(São assim, por vezes, as minhas noites na cidade.)

Sobre a Autora:
Tradutora e revisora que, cansada do burburinho de Lisboa, se mudou para o
 Alentejo em busca de calma e tempo para escrever. Tem um conto publicado,
 e muitas histórias às voltas na cabeça que precisam de ganhar corpo.

 

Anúncios

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.