Prevaricação

Prevaricação

Prevaricação
Gabriel Alencar
Do corruptor, a pena
Vê, alma nobre, que pena!
A estranha cantilena
Na vil e fragosa arena.
Estranhos subterfúgios
Que rompem eloquentes
Nas horas em que, quentes,
Surgem os sacrilégios.
Porém, também, pudera!
Que tanto se espera
Do venal desta era?
Árvore infrutífera
Fruto do velho povo
Que vive na mentira
Sobre o Autor
Músico e escritor, além de participar de concursos de composição musical,
Gabriel Alencar ficou em 1º lugar (categoria “Poesia”) e 3º lugar (categoria
“Conto”) no Concurso Literário Aldenor Pimentel (2016); 10º lugar no III
Concurso Cultural de Microcontos da Biblioteca do IFSP (Araraquara),
categoria “Humor” e teve textos publicados na 12ª edição da Revista Avessa
e na revista LiteraLivre.
Gosta de aventurar-se pela ficção científica, fantasia, drama e humor.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s