Apelo a Tânatos

Apelo a Tânatos

Apelo a Tânatos

Francisco Ferreira


Sob a Égide da Cruz
Zeus destronado já não mais pode
Provocar os vômitos de Cronos,
E o nosso destino é ser lentamente devorados!
...esperança não há!

Quisera a sorte de Diomedes
e ser estraçalhado nos dentes
Das putas devoradoras de homens,
Mas só me resta a lápide,
O cortejo e a perene condenação!
...salvação não há!

De águas estancadas, Lete não banha
E para as sujas sombras dos mortos
Somente o repaginado reino de Hades
Num inferno de fogo.
...esquecimento não há!

As algemadas Moiras não me tecem sequer um fio
E nos meus bolsos pobres
Não tilintam moedas para o barqueiro,
Reinam absolutos Momo e Oizus
E nosso único quinhão possível é zombaria e miséria...
...vida não há!


Sobre o Autor:

Francisco Ferreira

Poeta natural de Conceição do Mato Dentro, com centenas de classificações em concursos literários (Brasil, Portugal e Itália), participante de centenas de antologias e de várias academias literárias (RS, SP, ES, RJ, BA).

Administra o blog http://impalpavelpoeiradaspalavras.blogspot.com.br/ .

Anúncios

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.